[ECOTUTORIAIS][bleft]

Sementes Crioulas: O Que São e Como Elas Podem Salvar o Futuro

Por: Camila Arvoredo


As sementes estão cada vez mais sendo aprisionadas e com isso, nossa
liberdade também se esvai. Fonte: Gaia.org
Nós nascemos em um mundo em que sempre reclamávamos daquelas sementes da melancia, das sementes do suco de laranja que ficavam no suco, das sementes de limão e outras. Nós nascemos em um mundo em que fizemos a experiência do feijãozinho, trazendo de casa grãos de feijão e vendo-os brotar na escola e nós nascemos em um mundo em que muitas crianças e adultos têm a oportunidades de plantar uma semente de milho, de fazer uma horta no fundo da escola e de fazer perceber o milagre da terra e de onde provêm os alimentos.

Plantar feijãozinho e criar uma horta pode tornar-se cada vez mais dependente
das grandes empresas. Fonte: Sinodal
Este era o mundo da década de 70, 80 e 90, mas este mundo está acabando. Já na década de 90 nós começamos a notar que os limões do supermercado não apresentavam mais as sementes e que muitas variedades de melão e melancia vinham lisinhas, sem nenhum grão. Começamos a notar também que para plantar determinados alimentos tínhamos que comprar sementes em supermercados, todas elas pulverizadas com agrotóxicos. Começou a ficar difícil achar sementes que vingassem dos frutos que comprávamos e começamos a notar um gosto diferente nos alimentos, mais aguados, mais amargos e que até faziam a boca pinicar – como no caso de algumas safras de morangos.

Tudo foi feito aos poucos para que não percebêssemos.
Fonte: BetaniaCaneca
Víamos nos noticiários que os agricultores começavam a cultivar duas hortas: uma para seu uso pessoal, totalmente livre de agrotóxicos e uma para a venda, cheia de pesticidas; e começamos a notar o espalhamento de “Ts” nas embalagens dos alimentos, indicando sua procedência transgênica.
O processo foi lento, fazendo com que a maioria nem notasse a modificação dos alimentos. Começamos a ficar dependentes das grandes redes de distribuição de produtos alimentícios e começamos a adoecer mais frequentemente, sem notar que tudo estava ligado. Atualmente, na Europa, um projeto de lei está sendo alvo de muitos debates: a “Lei das sementes” obriga os agricultores a registrar qualquer semente que não se ajuste a determinados critérios de homogeneidade das sementes frequentemente comercializadas. Mas o que isso quer dizer?

Nós somos o que comemos e é preciso estar atento para
a manipulação e controle das sementes pelas
grandes empresas, antes que seja tarde demais.
Fonte: Encod
Quer dizer que as sementes homogêneas, ou seja, aquelas produzidas por grandes empresas como Syngenta e Monsanto, serão usadas como padrão para a classificação de sementes e todas aquelas fora destes critérios, como as sementes comuns do passado (sementes crioulas, sementes que provém dos frutos etc) deverão sofrer catalogação e adequação junto a estes critérios, ou serão ilegalizadas.
Sim, aquele mundo em que plantávamos a sementinha do feijão está mudando e cada vez mais, nós começaremos a depender de grandes empresas para plantar o alimento. Mas o que eu tenho a ver com isso? - alguns se perguntam! Afinal, estamos acostumados a comprar comida no supermercado, mesmo!
Bem, se essa lei for aprovada e começar a se propagar para outros países, os agricultores orgânicos e aqueles que usam sementes crioulas não poderão mais vender seus produtos, o que faz com que toda a fonte de alimentos passe a ser aquela provinda das sementes das grandes empresas. Como essas sementes sofrem, na sua maioria, manipulação, os alimentos que comprarmos no supermercado ou feiras, começarão, cada vez mais, a apresentar-se sem sementes ou transgênicos.

Conhecemos apenas um cor de milho e isto se dá
pelo controle do alimento pelo qual nossa sociedade já
passa. É preciso assim, lutar pela liberdade das sementes
crioulas. Fonte: Sementecrioula
Assim, será cada vez mais difícil achar sementes para plantar no quintal, para criar uma horta ou mesmo encontrar alimentos sem agrotóxicos e manipulação genética. Será mais difícil depender menos do dinheiro e do sistema, pois o alimento, sendo essencial e agora dominado por poucas empresas, nos obrigará a obter dinheiro para comprá-lo, sendo que antes tínhamos a possibilidade de plantá-lo!
É claro que, hoje em dia, poucas pessoas plantam no quintal, mas se elas começassem a perceber que plantar árvores frutíferas e fazer uma horta, as faz precisar menos de dinheiro e consequentemente a trabalhar menos e até a utilizar seu tempo extra para melhorar o mundo ou a si mesmo, isto não seria mais possibilidade.
Além disso, nós não poderíamos protestar contra a procedência e natureza do alimento. Se ele viesse cheio de veneno ou transgênico, não teríamos escolha e seríamos obrigados a adoecer!

Entender o que é semente crioula é essencial para
nossa liberdade. Fonte: Dodesign
A questão é tão séria, mas tão séria que a mídia nem fala a respeito! É tão séria que quase ninguém se pronuncia, pois vivemos em um mundo ao contrário, onde o que é verdadeiro é falso e onde o falso é verdadeiro! Mas podemos fazer algo! Este mundo de dependência plena ainda não chegou!
Existem muitos grupos produtores de sementes crioulas que produzem e dispersam sementes para os agricultores e existem muitas pessoas que já começam a perceber que se alimentar de orgânicos e boicotar transgênicos não é só questão de saúde, mas questão de liberdade! Boicotar esta engrenagem e protestar contra estes projetos envolvendo dinheiro e poder é algo que podemos fazer! É algo que devemos fazer para, no futuro, não criarmos uma sociedade de apáticos, alimentados com veneno.
Vamos nos unir! Deixo dois links de petições contra a “Lei das sementes”.
Em homenagem à semana da permacultura, desejo a todos os leitores, boa sorte, pois existe muito trabalho a fazer, mas lembrando que a solução ainda está ao nosso alcance!
Paz!


Para saber mais sobre o perigo dos agrotóxicos, leia o post:

O Veneno Que Nos Alimenta – Primavera Silenciosa – Dica de livro



Abaixo-assinados contra lei da semente
Bad Seed Law –

Fonte: Anonymouspt
Marcha contra a Monsanto
Dia 25/05/13, às 15h. Visite a página para obter informações sobre o local mais próximo de sua cidade onde se realizará a marcha ou participe virtualmente.


Projeto "HISTÓRIA AO CONTRÁRIO", clique aqui para saber mais!

Gostou desta postagem? Tem mais! Siga-nos via Facebook, Google +, E-mail ou Blogger! 
Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

2 comentários :

  1. Isso é assustador! E eu não acredito que tenham pessoas que precisem de explicação de o quão perigoso é isso. Li o post ontem e fiquei com ele na cabeça o dia todo. Pensando em um mundo onde não existem sementes nenhuma nos alimentos, num mundo onde só conseguiríamos sementes comprando de grandes empresas. Sementes artificiais. E depois em um mundo onde encontrar sementes naturais seria como encontrar fósseis e em um povo falando como nossa geração era burra por extinguir as hortas e os pomares (e as plantas que nascem sozinhas).




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rô! Bem, ainda há esperança! Na semana que vem, farei um post com algumas soluções que podemos tomar, além das já citadas, como se manifestr e boicotar transgênicos e produtos com agrotóxicos. Há muito o que fazer e a primeira delas é divulgar mesmo, poi infelizmente este tipo de ação não é mostrado nos noticiários. Mas, sei que existe muita gente tentando mudar o mundo! Semana que vem, escrevo um post sobre como armazenar sementes! Acho que já ajuda, né! Obrigada por comentar e enriquecer o blog! Paz, Camila.

      Excluir

Ajude a Enriquecer o nosso Blog, Contribuindo com sua Opinião!


[REFLEXÕES][grids]