[ECOTUTORIAIS][bleft]

Os Porquês NÃO Da Vivissecção



Vergonha: dirão nossos futuros descendentes.
Fonte: ComunicacaoChapaBranca
O movimento dos direitos dos animais está cada vez mais forte no Brasil e agora, com a ocupação do Instituto Royal e resgate dos Beagles, o debate sobre a vivissecção ser ética ou não retorna com força total e obriga às pessoas a refletirem e àqueles que são favoráveis à prática, de reformularem seus argumentos para defender a prática.
Eu consigo entender um ser humano que é favorável a experimentação em animais. Não sou um deles, mas há algum tempo atrás fui daquelas que ficavam em cima do muro, sem saber o que fazer. Acho que tudo começa com o coração. Nós sentimos que alguma coisa está errada, mas os argumentos que te colocam na cabeça fazem com que você sempre fique em silêncio diante dos olhos dos animais que você vê serem mutilados ainda vivos.

O problema não é a falta de evidência de saber que sofrem, mas
a legitimação social de considerá-los sem direito.
Fonte: Santuário das Fadas
Eu sou formada em biologia e antes de entrar na universidade imaginava trabalhar na floresta, junto com os animais, estudando a vida e seu comportamento. Para minha surpresa só vi morte. A biologia é uma ciência que estuda a vida de uma maneira muito peculiar: através da morte dos animais. Foi um choque! Eu nunca tinha pensado nos testes de laboratório até ter uma aula experimental em que recebíamos em uma bandeja um sapo espinalado. Para refazermos um experimento clássico de Galvani sobre músculos e corrente elétrica recebíamos sapos que tiveram a espinha quebrada e, ainda vivos, tínhamos que abri-los e estudar a reação dos músculos de sua perna à corrente elétrica. Eu nunca vou esquecer aqueles olhos vivos e mudos, pois sentia dentro de mim que ele me via e sabia. Não fui corajosa e heroica para sair da sala ou reclamar ou me negar a fazer o teste. Observei os colegas rirem e percebi pela primeira vez o prazer que as pessoas sentiam ao se manterem no controle de algo, no caso o sapo. Nenhum respeito ao animal foi dado. Lá só havia jovens brincando com o coração do sapo, outros dissecando outras regiões além da perna e todos convictos de que nada faziam de errado, pois a autoridade (no caso o professor) dissera que estava tudo bem e que ele não sentia nada.

O modo de pensar dos fins que justificam os meios são é boa desculpa
para legitimar a violência, mesmo quando sentimos que algo está errado.
Fonte: MidiaIndependente
Depois desta experiência fui me convencendo aos poucos do crime que é a vivissecção. Para o espanto da maioria sou hoje estudante pesquisadora de doutorado em Neurociências, em um campo cuja experimentação é realizada em humanos. Lido todos os dias com pessoas favoráveis e que até debocham de pessoas como eu, de veganos, ou que simplesmente consideram nosso ponto de vista irreal e absurdo, mas aqui estou: cientista e anti-vivissecção e considero isso uma vitória para mostrar que é possível fazer ciência sem matar.
Não acho que todos possam sentir o alarme tocar, dizendo que algo está errado quando vêem um animal sendo torturado em um experimento. Sei que alguns não sentem. Acredito que a sociedade viva em certo patamar de violência devido a determinadas regras que nos são impostas desde que nascemos. 

Quando a sociedade apoia, nos sentimos no direito de agir como somos:
violentos. Fonte: AnimaisFofos
Acredito que quando uma autoridade nos diz que é errado usar seres humanos em testes de destruição fisiológica, como os realizados em animais, o nosso impulso de violentar um ser humano fique abafado, mas isso não quer dizer que não realizaríamos experiências em seres humanos de “hierarquia inferior” se isso fosse permitido. Digo isso por alguns pontos que pude observar: primeiramente observei o prazer que muitos de meus colegas na biologia sentiam ou comentavam ao destruir ou ver um animal sendo destruído. 

A questão sobre o controle social da violência
intrínseca do indivíduo, mesmo que ela ainda esteja lá, é uma dos temas
do filme "Laranja Mecânica". Fonte: Psipensamentos
Imagino que este seja o primeiro ponto a considerar, em que o sadismo faz parte de algumas pessoas e que estas últimas focam sua energia sádica naquilo que a sociedade permite se concentrar, como nos animais; em segundo lugar, constatei que estas mesmas pessoas favoráveis aos “fins que justificam os meios”, com algumas exceções, se diziam favoráveis a utilizar humanos em pesquisas, sem o seu consentimento, como no caso de mendigos e presos.  Me lembro bem de algumas experiências marcantes em que uma professora de minha universidade afirmou em público ser favorável ao uso de presos em experiências, considerando que poderíamos avançar em muito a ciência e conhecimento em geral, salvando a vida de “pessoas de bem” e se livrando do “lixo da sociedade”. Também me lembro de alguns colegas comentando da inutilidade de leis que proibiam o uso de mendigos em experimentos, pois isto estaria estancando a ciência.

No filme "O jardineiro fiel"aborda-se a questão polêmica dos experimentos
não consentidos em seres humanos. Fonte: Cineminha
Acredito que nem todas as pessoas sejam tão insensíveis e em momento algum digo que todas as pessoas a favor da vivissecção tenham este tipo de pensamento em relação a humanos, porém é bem possível que a maioria das pessoas que sejam favoráveis ao dilema dos fins justificando os meios estejam apenas protegidas de si mesmas pelas leis que proíbem a tortura em seres humanos, fazendo isso apenas com os animais.
Vamos imaginar um mundo em que pessoas consideradas “inferiores” pelo sistema pudessem ser usadas em experimentos que fizessem a ciência avançar. Vamos olhar para dentro de nós e ver se seríamos capazes de ser ou não favoráveis a este tipo de experimento. Vamos considerar que desde pequenos fomos ensinados pelas autoridades que certas cores ou certas raças não são humanas ou menos humanas, mas que possuem fisiologia similar à da casta mais alta e que por isso seriam extremamente úteis para o avanço da ciência. Claro que todos dirão que não concordariam! Afinal, ensinados desde crianças que torturar humanos é sacrilégio, ninguém conseguiria supor que seria favorável a tal ato de brutalidade. Mas, até aí, você, que foi ensinado a considerar qualquer outro animal não humano como inferior ou com menos direitos, considera que aí sim os fins justificam os meios.

Até que ponto somos educados para
agir violentamente somente contra alguns
e não outros? Fonte: Divas e Contrabaixos
Para mim, tudo não passa de regras pré-estabelecidas e educação, dando valor e ensinando a dar valor a alguns seres e a outros não. Na sociedade atual é permitido fazer experimentos em animais não humanos porque fomos ensinados que eles têm menos valor, sendo, portanto permitido. Se vivêssemos em uma sociedade em que a prática pudesse ser feita em “sub-humanos”, classe criada pela nova sociedade, nós também concordaríamos. E se vivêssemos em uma sociedade que considerasse os humanos como guardiões do planeta e em que outras espécies também fossem consideradas irmãs e dignas de direito, a sociedade em que vivemos hoje seria igualmente considerada bárbara.
Mas, esta ultima sociedade ainda é uma utopia! Afinal, o problema é que a violência que emana de nossa consciência é tão preponderante que sempre criamos alguém ou algo para subjugar e, gerando “seres inferiores”, nós nos aproveitamos desta hierarquia cultural para gerar crimes, promover a destruição da vida e justificar os fins. Sempre!
No fundo, tudo não passa de educação para a violência e legitimação da autoridade. Uma dupla imbatível e imprescindível na formulação dos meios e dos fins.

O experimento de Milgram mostra o que realmente somos nós
e como podemos mudar isso. Fonte: NIU
Quer ter provas? Em 1963 Stanley Milgram, pesquisador renomado da área de psicologia, realizou um experimento para mostrar o poder que a autoridade exercia sobre o comportamento dos indivíduos. Em uma sala, um experimentador apresentava o voluntário a um falso voluntário (um ator) dizendo que ambos participariam de um jogo de perguntas. O ator ficaria em uma sala preso por amarras e receberia choques por cada erro que cometesse e o verdadeiro voluntário deveria ministrar os choques e aumentar a voltagem a cada erro que o ator cometesse. A dose de choques ia de uma dose baixa, até uma dose letal e o voluntário verdadeiro, em hipótese alguma, sabia que o outro era apenas um ator, fingindo sentir dor.

Em algumas sociedades alguns humanos foram considerados
inferiores. Nestas mesmas sociedades, algumas pessoas lutaram
contra aquilo que todos pareciam concordar.
Fonte: EcoSocialistHorizons
No começo, os voluntários administravam o choque de baixa voltagem sem reclamar e iam aumentando a dose até a tarja de voltagem considerada perigosa. Quando eles ficavam em dúvida sobre administrar ou não as doses dolorosas, o experimentador dizia que eles deveriam continuar, pelo bem do experimento. Mais tarde, o ator começava a gemer e pedia para sair da sala, pois estava preso em amarras, mas em nenhum momento, os voluntários reais pararam de aumentar a dose, mesmo quando o ator parou de responder, indicando morte. Pouquíssimos voluntários se negaram a parar o experimento e a grande maioria, depois de questionada do porquê de continuar a aumentar a voltagem, mesmo ouvindo os gritos do ator, diziam que continuaram porque consideravam os fins científicos importantes, transferindo a responsabilidade para o experimentador, que pedia para que eles prosseguissem.

Podemos construir uma sociedade em que
os animais não humanos também têm direito
à vida. Fonte: BeneditoFurtado
O vídeo deste experimento vai abaixo, para que vocês possam constatar por vocês mesmos, como o sadismo e a falta de culpa está intrincada dentro de nós e como ela se manifesta quando há legitimidade para agir violentamente. Acredito que este experimento não mostre somente o poder da autoridade sobre um indivíduo, mas o fato de que nós somos capazes de fazer crueldades e matar qualquer coisa quando apelamos para os fins, justificando os meios, principalmente quando nos é permitido, por alguma autoridade, de fazer isso.
Para mim, fica claro que o problema dos direitos dos animais e das pessoas sendo favoráveis à vivissecção é um problema do educação e legitimação da violência. Não é uma questão de produzir remédios e salvar os doentes ou uma questão de produzir novas tecnologias; o que a questão da vivissecção envolve é o fato de que nossa já costumeira violência interna usa a legitimação social dos animais como seres sem direito, para usá-los para apressar determinadas conquistas sociais. Isso poderia acontecer com mendigos ou com presos, ou com africanos (como ainda ocorre), mas como nossa sociedade considera que determinadas espécies são inferiores, são elas os alvos dos “meios” que justificam os fins.

Ha muito mais o que fazer para salvar a vida das pessoas e este muito mais
está mais relacionado ao fim da violência d que aumentá-la.
Fonte: O séculoXX
Não acredito que existam AINDA todas as alternativas para trocar os animais por modelos em pesquisa, como dizem alguns defensores dos direitos dos animais, mas este não é o ponto! O ponto é que se quisermos sair de nossa natureza sádica e violenta, temos que parar de macular a vida e fazer sofrer seres que a própria ciência já constatou sentir dor. E é esta ação que é extremamente necessária para salvarmos as tantas vidas humanas que os favoráveis dizem querer salvar para produzir remédios, para curar o câncer ou para fazer andar um cadeirante!

Qual modelo de ser humano queremos ser?
Fonte: CabanaOn
Afinal, as doenças que mais matam no mundo são as doenças da violência: a diarreia, a sub-nutrição, as guerras, a violência do trânsito, a ganância, o ódio. Atualmente temos mais mortes por doenças facilmente curáveis e que nem mesmo necessitam de fármacos (mas apenas de saneamento básico) do que podemos imaginar. Atualmente, muitos cânceres possuem profilaxia constatada pela alimentação correta e ambiente limpo. Atualmente, a ganância, a guerra e o territorialismo são as maiores responsáveis pelas mutilações, perda de membros e movimentos.
Por que não apostar na profilaxia? Ou no fim da violência que temos dentro de nós? Ou em melhorar a estrutura social? Não faz sentido nenhum querer curar doenças, incentivando em nós, justamente aquilo que causa a maior proporção de doenças no mundo: a violência.
Que venha o debate e que pelo menos este texto sirva para fazer as pessoas refletirem sobre o que realmente são, para enfim pararem de mutilar a vida e dar por completo a missão a que viemos neste planeta: guardar a Terra e não subjugá-la.

O experimento de Stanley Milgram - Vejam e choquem-se.


Mais sobre vivissecção
George Guimarães, da ONG Veddas, sobre vivissecção



Artigos sobre vivssecção - Veddas

Paz!

Autora: Camila Arvoredo


Gostou? Compartilhe e faça a mudança acontecer!
Ajude o blog a crescer e seja um seguidor!
Projeto "HISTÓRIA AO CONTRÁRIO", clique aqui para saber mais!

Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :

Ajude a Enriquecer o nosso Blog, Contribuindo com sua Opinião!


[REFLEXÕES][grids]