[ECOTUTORIAIS][bleft]

Está na hora de acabar com os Concursos De Beleza Femininos?



Desde pequenas as meninas são assombradas pela
imposição da aparência. Isto pode estar
com seus dias contados. Na foto: criança de
concurso de beleza. Fonte: Os deuses devem estar loucos
A beleza é como um fantasma que assombra todas as mulheres desde que nascem. Para um homem, ser bonito é algo gratificante, mas não essencial, tanto é que dentro do imaginário popular, uma mulher não se importa com a beleza do homem, mas com suas qualidades intrínsecas, como a bondade, o fato de ser ou não trabalhador e outras características do provedor. Beleza nunca é fundamental para as mulheres, mas para o homem, andar com uma mulher feia é algo ruim e que pode, inclusive, manchar sua imagem masculina. Claro que isso é imaginário popular; a realidade é diferente e há quem diga, inclusive eu, que feiúra é coisa da cabeça de pessoas preconceituosas, afinal beleza é algo imposto culturalmente.
Sendo ou não imposto, entretanto, infelizmente a menina, desde que nasce, é sobrecarregada com idéias de que para agradar, deve ser bonita e apresentar uma beleza característica: a beleza da elite branca, que passa fome porque deseja e que vive se mostrando nas capas de revista. Antigamente, há uns cinqüenta anos atrás, ser bonita indicava saúde e mais ainda no passado, a mulher era considerada bela, segundo suas próprias características, enquanto que hoje, toda a beleza foi padronizada em um tipo físico muito característico, a da mulher nórdica. Para ser bela, atualmente, a mulher precisa ser alta, com mais de 1,70 metros, magra, com menos de 50 quilos, branca, com bochechas rosadas e com cabelos lisos, podendo ser de qualquer cor, mas especialmente loiros; os olhos claros sendo um adendo especial.

Os concursos de beleza e sua versão infantil são apenas
sintomas da opressão maior que assola todas as
mulheres do mundo. Na foto em sentido horário: cílios postiços /
dentes falsos / spray bronzeador / roupas de stripper / maquiagem /
extensão capilar. Fonte: Não sou exposição
Com todas estas características imagine nascer negra e ir ao supermercado e ver apenas uma cor para meninas e apenas uma face! Atualmente existem bonecas de muitas cores, mas mesmo assim, nos supermercados comuns, o branco e o rosa sempre se sobrepõem. Mais ainda, para meninas podemos encontrar tiaras de princesa, jogos de maquiagem, mini secadores de cabelo, mini penteadeiras, estojos para criação de colares e bijuterias, sapatinhos de salto para crianças, bolsinhas e outros aparatos de beleza. Sem falar das mães que tingem os cabelos das filhas e que colocam esmalte em seus dedos, sem saber que o mesmo leva chumbo. Além da covardia para o público infantil, há ainda a imansa quantidade de cosméticos para mulheres, sem falar nos “enbranqucedores” de pele, muito comuns na Índia, alisadores, lentes de contato clara e emagrecedores.
Tudo isto é uma imposição! 

A imposição da beleza branca chega ao cúmulo em revistas
femininas, onde atrizes negras e indianas são embranquecidas
nas fotos. Fonte: NYDailyNews
Ensina-se à menina: seja bonita ou não participe do mundo! Pinte as unhas, depile-se, malhe na academia, coma pouco, tinja e alise o cabelo e se levar a sério mesmo, mude a cor dos olhos com lentes de contato. Atualmente é até interessante que a mulher é ensinada a estudar, mas no fundo, ainda existe uma pressão para que ela se case ou não será bem-sucedida! Assim, criou-se um paradoxo porque a mulher ideal deve ser bonita, mas estudada, o que faz com que se crie o fenômeno das donas de casa com doutorado, algo comum nos Estados Unidos!
Para mim, toda esta pressão, a qual é muito menor para o homem, só mostra como ainda existe dominação de gênero. É interessante porque, no passado, escravizar demandava força, mas um novo tipo de escravidão, mais sutil e mais perverso, é aquele em que o próprio escravo não sabe que é escravo e deseja se manter na condição de escravizado. A meu ver, a escravidão do sexo feminino sempre foi deste tipo, o que, aliás, faz com que sejam raros os estudiosos que qualifiquem a opressão de gênero como uma forma de escravidão; isso porque este tipo de escravidão sempre foi tão bem elaborado psicologicamente que é difícil afirmar se foi mesmo escravidão ou apenas vontade da própria mulher de se submeter ao homem.

Infelizmente, a opressão não vem só da mídia e dos homens,
mas as próprias mulheres oprimem e se deixam oprimir para
atingir o padrão de beleza aceito. Na foto: Creme Ultra Fairness /
Antes e Depois. Fonte: Expat and the city
Hoje, a escravidão ainda não acabou! Vejo mulheres aos montes reclamando das feministas “bigodudas” (no caso, novamente a feiúra como forma de desqualificação da mulher), que não as deixam em paz na sua livre vontade de ser oprimida. Muitas até fazem piadas machistas e oprimem mulheres consideradas como “peguetes”, como forma de valorizar o seu poder sobre outras, que são ainda mais oprimidas do que elas.
Assim, uma das formas mais correntes de se oprimir a mulher, mesmo quando é outra que o faz, é através da beleza! Quem é mais parecida com a elite branca é vista aos olhos do opressor (o homem) como tendo mais valor e assim cria-se toda uma hierarquia, o que faz com que se gere medo e ainda mais opressão, criando manifestações medonhas de mães que colocam as filhas em concursos de beleza com quatro anos de idade e crianças doentes por excesso de química no cabelo ou anorexia. Além disso, para quem não nasceu “abençoado”, cria-se uma série de aparatos de “brancura” nórdica, adicionada ao senso comum machista e que a branca é para casar, já a outra...

As chinesas tinham os pé deformados para
conseguir um casamento e agradar ao paladar masculino.
Fonte: Frangonerd
No fim, vemos que nada mudou! As mulheres ainda são ensinadas a agradar ao paladar masculino e o fazem mesmo sem pensar, pois é algo que é imposto desde que nasceram! Hoje já não se impõe mais o casamento tão arduamente, mas as formas de controle continuam firmes e fortes e a mulher que não se enquadra sofre.
Mas há uma esperança! O senado francês aprovou recentemente uma lei que extinguirá por completo todo e qualquer concurso de beleza para crianças meninas existente no território francês! Imagine quão importante é esta decisão para o fim da opressão da mulher! Apesar de parecer uma lei simples, é a primeira vez que o estado percebe o quanto um concurso de beleza e outras formas de opressão modificam o comportamento da mulher e a oprimem!

No Ocidente, o salto alto machuca e cria problemas na
coluna e articulações. Tudo para agradar ao homem.
Fonte: Movimente e pense
Não existe um tipo de beleza mais bonito! Mas, além desta discussão deveríamos ir mais longe, afirmando que a beleza não importa! Em toda a história da humanidade vemos a mulher sendo moldada e castigada para entrar dentro de um perfil valorizado pelo homem. Na China, as mulheres ficavam mancas e deformadas porque o homem considerava mais bonito mulheres com pés pequenos e que andavam com discrição. Para andar com discrição, nada melhor do que deformar os pés das crianças meninas com sapatos apertados! No Ocidente os espartilhos deformavam a cintura feminina, porque os homens consideravam mais belas as mulheres acinturadas! Sem falar dos exemplos menores dos pescoços aumentados em algumas tribos ou da atual lingerie sexy, que maltrata a região púbica feminina, aumentando absurdamente os índices de candidíase na população feminina mundial! E o chumbo do esmalte? O BHT dos cosméticos? O lauril cancerígeno dos xampus? Sem falar nos tóxicos dos perfumes, nos desodorantes cada vez mais perigosos, para deixar as axilas sem pelos, e da própria depilação, que é uma espécie de auto-mutilação?
Muito radical? Veja se o homem deve fazer o mesmo que a mulher nestes quesitos? E veja se o mesmo homem que reclama das mulheres peludas se daria ao luxo de arrancar todo mês todos os pelos de seu corpo, sentir dor e às vezes, ficar com pelos encravados (em alguns casos até cirurgia é necessária) como a mulher faz?

Por uma sociedade em que tornar-se mulher não seja uma
forma de opressão. Fonte: Grupo Sociedade Diversidade
Assim, esta nova lei francesa é realmente uma decisão muito importante para a mulher!
Fico imaginando um dia em que não seja mais necessário vestir os dois sexos de maneira diferente e tratá-los de maneira diferente! Vocês já se perguntaram por que a mulher e o homem têm vestimentas e costumes diferenciados para se mostrar na sociedade, sendo que nada mais é preciso do que um rosto para saber quando um humano é mulher ou homem? Deixo a questão para vocês pensarem, notando ainda que quanto mais igualitária uma sociedade, menos diferenças de cuidado com a beleza e vestimenta existem entre homem e mulher.

Paz!

Para saber mais sobre o fim de concursos de beleza na França: "Senado francês aprova fim de concurso de beleza para meninas"

Autora: Camila Arvoredo


Gostou? Compartilhe e faça a mudança acontecer!


Ajude o blog a crescer e seja um seguidor!
Projeto "HISTÓRIA AO CONTRÁRIO", clique aqui para saber mais!


Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Um comentário :


[REFLEXÕES][grids]