[ECOTUTORIAIS][bleft]

HISTÓRIA AO CONTRÁRIO – Uma Sessão Para Falar de História, Como Você Nunca Aprendeu


Por: Camila Arvoredo

Qual é a história que aprendemos? Onde estarão as mulheres na história?
História do homem branco é desigual à história da humanidade.
Fonte: 100 porcento aprendizagem
Há algum tempo eu decidi que seria a hora de entender uma dúvida crucial de minha existência: por que todos os grandes feitos da humanidade foram realizados por homens? Eu ouvi e refleti sobre muitas respostas, como por exemplo, o fato de que a opressão contra a mulher a impediu de desenvolver ciência, compor músicas, escrever grandes obras, entre outros.

Esta é a resposta mais convincente, mas não conseguiu me convencer, visto que a opressão impediria que as mulheres fizessem tanto quanto os homens, mas não as impediria a tal ponto de não aprendermos nada sobre nenhuma grande artista ou cientista na história. Fato é que quase não aprendemos sobre mulheres ilustres e somente conhecemos algumas poucas rainhas, que chegaram ao poder por algum erro ou acaso histórico - e, claro, a Marie Curie!

Marie Curie foi a única mulher a fazer história ou será uma das poucas a ser
ensinada? Fonte: HistóriaZine
Um dia estava fazendo um trabalho em uma escola e vi um cartaz de uma Olimpíada de matemática. No cartaz havia quatro figuras: Einstein, Newton, Galileu e Pitágoras. Naquele momento eu compreendi que a maioria das meninas não conseguiria se sentir incentivada a tornar-se uma matemática ou participar de um concurso como aquele, em que o próprio cartaz deixava claro que mulheres não existiam na história da matemática. Não havia exemplos para as garotas seguirem e além desse problema, havia ainda a questão delas aprenderem desde pequenas que matemática é mais coisa de menino do que de menina, que ciências exatas são muito complicadas para a sensibilidade da mulher e, por fim, que a mídia, a família e a comunidade sempre incentivam atividades outras do que as ciências ou grandes artes para as garotas, como moda, desfiles de beleza, cosmética e por que não, o casamento e a maternidade.
Não que essas atividades sejam ruins de todo, mas a questão é saber o porquê da mulher, na história humana, não aparecer nem em papel secundário. Por fim, é interessante notar que mesmo hoje, com as incríveis possibilidades que a mulher tem, são os homens os grandes compositores, os grandes criadores, os grandes gênios, literatos e outros.

Elas são poucas, mas suas ações foram tão importantes quanto a de grandes
outras mentes brilhantes, sendo assim, por que não aprendemos sobre elas?
Fonte: Norphil
Não pode ser apenas questão de opressão! Deve ter sido um mascaramento proposital das ações femininas na história. E mais: ainda hoje, segue-se com o mesmo modelo em que a mulher torna-se invisível, o que não só a desincentiva a criar e inventar nossos conceitos, mas apaga aquelas poucas que conseguiram suplantar o status quo.
É por isso que decidi criar esta sessão, que inicialmente estava planejada para tornar-se um blog. Nesta sessão encontraremos os exemplos apagados de milhares de mulheres que fizeram a história. O objetivo aqui é incentivar quem lê, sejam homens ou mulheres, de modo que as pessoas possam se dar conta da tamanha manipulação que viemos sofrendo; também, ela pretende ajudar aqueles que querem incentivar as crianças a fazerem uma outra história - através destes exemplos.
Sejam bem-vindos à história ao contrário!

Sugestões de nomes de mulheres apagadas, etnias ou povos são sempre bem-vindas. Mande sugestões através dos comentários.

Gostou desta postagem? Ajude a divulgar o blog e seja um seguidor!




Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

3 comentários :

  1. Iniciativa muito louvável!
    Vieram à minha cabeça no momento Nannerl Mozart, a irmã do Wolfgang que também era brilhante mas, por ser mulher, não ficou famosa como o irmão; Olympe de Gouges, que escreveu peças contra a escravidão e a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã, durante a Revolução Francesa, e foi condenada à guilhotina; e Ada Lovelace, a primeira programadora.
    Saindo da ciência e das artes... a Guerra da Independência do Brasil teve pelo menos três mulheres muito importantes: a soldado Maria Quitéria, a abadessa Joana Angélica e a capoeirista Maria Felipa de Oliveira (que liderou a resistência na Ilha de Itaparica).

    ResponderExcluir
  2. Olá Mari Lee! Obrigada pelas dicas de nomes! Vou guardá-los para falar deles posteriormente. Minha ideia não é somente postar, mas no futuro, fazer contato com professores para que utilizem estas informações para enriquecer as aulas. Espero que no futuro, as meninas não se sintam desestimuladas a criar, afinal foram muitas as mulheres que criaram coisas, elas só foram apagadas pelo seu sexo.

    ResponderExcluir
  3. Oi Camila, Gostei muito da ideia. Vou pensar em alguns nomes e te mando. Estou muito curiosa pra seguir esse projeto.

    ResponderExcluir

Ajude a Enriquecer o nosso Blog, Contribuindo com sua Opinião!


[REFLEXÕES][grids]